Isoflavonas – Benefícios, Alimentos, Reposição Hormonal e Efeitos

As isoflavonas são compostos orgânicos presentes na soja, é de origem vegetal e possuem uma estrutura parecida com o estrogênio, hormônios femininos. Essas substâncias são encontradas naturalmente na soja, farinha de soja, leite de soja, tofu e demais derivados.

Mas também, existem medicamentos e suplementação que contém as isoflavonas, que devem ser consumidas somente sob orientação médica.

Se você quer saber mais sobre as esse composto, continue lendo esse artigo e conheça todas as particularidades dessa substância.


 

isoflavonas-benefícios

 

Para que serve?

A utilização das isoflavonas é ampla quando se trata de menopausa, isso porque elas possuem a semelhança com o estrogênio. O organismo da mulher começa a enxergar as substâncias como um hormônio, só que natural, por isso, sua ingestão é indicada para melhorar os sintomas desagradáveis da menopausa.

No entanto, não se pode pensar que a isoflavona contida na soja é igual ao estrogênio, vale lembrar que são substâncias vegetais e não químicas, portanto, podem ser consumidas com segurança por homens e crianças, pois são fontes de gordura boa, proteínas e ainda ajudam a controlar os níveis do colesterol.

Diversos estudos comprovam que as isoflavonas contidas na soja não possuem relação com alterações de fertilidade masculina, crescimento de seios ou qualquer outra alteração no corpo, pelo contrário, notou-se benefícios na proteção contra o câncer de próstata. Ou seja, o consumo dos grãos e seus derivados podem ser feitos, claro, sempre com moderação como em toda a alimentação saudável.

Alimentos ricos em isoflavonas

Segundos os especialistas, a soja possui 3 tipos de isoflavonas, as agliconas, glicosídeos e o malonilglicosídeos. No entanto, somente uma é realmente absorvida pelo organismo que são as agliconas.

Outra curiosidade é que a quantidade das isoflavonas na soja podem variar de acordo o clima, solo, variedade e processamento.


Os alimentos que possuem isoflavonas são: Soja e seus derivados (leite, farinha, queijos, sucos), missô, tofu, sementes de linhaça, grãos verdes de soja.

A maioria desses alimentos tem consumo diário no Japão, é justamente por isso, que o estudo dessa substância se iniciou a cerca de 3 décadas atrás, pois notou-se que as mulheres japonesas não sofriam com a chegada do climatério como as mulheres de outras nacionalidades.

Isoflavonas – Benefícios para a mulher

Apesar do efeito das isoflavonas serem suaves no organismo da mulher, essas substâncias oferecem uma melhora considerável no perfil lípidico durante toda a vida reprodutiva da mulher, e também na menopausa.

Os principais benefícios do uso das isoflavonas são:

1- Redução dos efeitos da menopausa

Os sintomas sentidos pelas mulheres durante o climatério podem diminuir a qualidade de vida consideravelmente, essa fase é tida como um pesadelo por muitas que se sentem muito mal apresentando dores de cabeça, insônia, náuseas, ondas de calor excessivo, ansiedade, sudorese, alterações bruscas de humor, diminuição da libido, ressecamento vaginal e flacidez.

As isoflavonas são capazes de reduzir todos esses sintomas e ajudar a mulher se sentir melhor aumentando o seu índice de satisfação pela vida.

2- Prevenção da osteoporose

Essa doença provoca o enfraquecimento dos ossos, na menopausa, se acentua a perda óssea, pois produção de estrogênio diminui. Esses dados foram frutos de um estudo feito na Inglaterra, onde foram incentivados o consumo de proteínas de soja durante alguns meses em um grupo de mulheres, enquanto que outros não ingeriram.


Os resultados foram muito satisfatórios nas mulheres que fizeram uso da soja, pois registrou-se a desaceleração da perda óssea.

3- Redução nos riscos de desenvolver câncer de mama

Essa substância ajuda a combater o crescimento de células cancerígenas.

4- Combate os radicais livres

Segundo alguns estudos, as isoflavonas são responsáveis por inibir a taxa de oxidação do LDL colesterol e a produção do oxigênio reativo que está ligado aos radicais livres.

Os pesquisadores estão avaliando outros benefícios das isoflavonas, no entanto, nos Estados Unidos, algumas pesquisas já foram concluídas e a FDA já recomenda a utilização de alimentos derivados de soja atestando os seus benefícios para outras questões de saúde como: Prevenção de doenças cardiovasculares, diminuição do LDL e aumento do HDL, redução dos triglicerídeos e melhora na elasticidade arterial.

As isoflavonas tem sido fruto de pesquisa em diversos Países do mundo, pois, mais de 60% das mulheres apresentam os sintomas desagradáveis na menopausa, enquanto que no Japão, apenas um terço delas sentem as mesmas alterações no climatério.

Isoflavonas – Reposição hormonal?

A informação é sempre bem-vinda, mas é importante esclarecer que não substitui a realização de exames e a consulta médica. Quando a mulher entra nessa fase da menopausa, a primeira coisa é avaliar a saúde.

De acordo com alguns médicos ginecologistas, as isoflavonas são moléculas aliadas das mulheres no alívio das ondas de calor, dores de cabeça em outros sintomas da menopausa. No entanto, se a mulher precisa de reposição, ela não pode suprir essa necessidade, pois a quantidade no alimento é insuficiente.

Uma alimentação com isoflavonas no decorrer da vida pode ajudar no equilíbrio hormonal. Mas, é ideal buscar orientação médica após a menopausa para saber qual é o melhor tratamento.

Efeitos colaterais

Alguns estudos apontam que o uso de isoflavonas em excesso podem causar inúmeros problemas no organismo, mas, nesse caso, estamos falando da suplementação. O uso de 60 a 100 gramas diárias dessa substância pode se comparar ao consumo de 1 pílula de anticoncepcional, o que pode causar alterações na saúde como: Mudanças nos ciclos menstruais, distúrbios endócrinos, perda de libido, problemas renais, problemas na bexiga, entre outros.

A ingestão da soja e seus derivados é bem vista quando feita com equilíbrio, sem exageros e de forma saudável. É inclusive recomendada pelos médicos na fase da menopausa. Mas, não esqueça a importância de seguir as recomendações do profissional da saúde e fazer exames periódicos no climatério.

 

Fontes em inglês: 1