Remédios Caseiros para Magreza- Tratamento Natural

remedios-caseiros-para-magreza-tratamento-natural

Para tornar mais claro esse assunto, falaremos primeiro, resumidamente, sobre biotipologia, ou estudo dos tipos de corpo humano. Há inúmeras combinações possíveis de biótipos. Em síntese, de acordo com Pende, podemos dividir os seres humanos, quanto ao tipo morfológico, em quatro grupos básicos. (Tente descobrir em qual deles você se enquadra). Nesse artigo falaremos sobre Remédios Caseiros para Magreza- Tratamento Natural.

Sua magreza:

1. Longilíneo estênico ou normolíneo – Traçado corporal normal, elegante, bem proporcionado. Os membros e o tronco exibem dimensões equilibradas. A musculatura é normal. Essas pessoas têm mais facilidade de conservar o peso, embora possam tanto engordar como emagrecer. No conjunto, trata-se de indivíduo “magro”, mas com peso suficiente.

2. Longilíneo astênico – Exibe peso inferior à média. Os membros são finos e compridos, e o tronco estreito e magro. Tendem a ser altos, embora às vezes sejam de baixa estatura. Esse tipo corpóreo é relativamente comum. Os que o apresentam consideram-se “muito magros”, como de fato o são. Mas trata-se de determinismo genético, e não de “debilidade” ou “má nutrição”, como alguns erradamente supõem. O máximo que podem conseguir é, com muito esforço, ganhar alguns quilos. Mas todo o cuidado é pouco para, em vez de obterem peso bem proporcionado, não se tornarem “barrigudos”.

3. Brevelíneo estênico – Caracteristicamente atarracados, com ossos, tórax e pescoço largos, são tipos geralmente musculosos e atléticos. Tendem a ser baixos. O peso é geralmente acima da média. Engordam com relativa facilidade. Mas também conseguem perder peso com certa facilidade.

Publicidade

4. Brevelíneo astênico – São os típicos gorduchos, de linhas deselegantes. Exibem membros curtos, podem ser altos, e engordam com facilidade espantosa. O tórax é curto e em forma de barril, o ventre volumoso e a musculatura fraca.

Causas de magreza

Há a magreza constitucional, como vimos (tipo corpóreo longilíneo astênico), mas há a magreza de origem patológica. Entre as causas de magreza que podemos considerar como doença (ou sinal de doença).

Sinais de que a magreza pode ser doença:

 

Subnutrição

A ingestão insuficiente de calorias e nutrientes em geral (em outras palavras, a fome) é trágica realidade, muito em evidência hoje, associada ao quadro macabro de crianças esquálidas em meio a multidões que morrem à míngua.

Desnutrição

A má nutrição tanto pode ser resultado de doenças que impedem o adequado aproveitamento de nutrientes ou aumentam sua perda (como verminoses, giardíase, síndromes de má absorção, câncer, hemorragias, doenças que levam à perda de apetite, como infecções etc.), como resultado da má alimentação. Mas, em muitos casos, a desnutrição não produz magreza. Há pessoas desnutridas e, paradoxalmente, gordas. E o caso de obesos anêmicos – ingerem muitas calorias, mas sua alimentação é deficiente em elementos reguladores, como minerais e vitaminas.

Doenças consumptivas e espoliativas

São doenças que levam ao mau aproveitamento ou à grande perda de nutrientes, como já mencionamos: câncer, AIDS, verminoses, infecções etc.

Má alimentação

Muitas pessoas se alimentam mal, imaginando que não há nada de errado com sua comida. A ingestão excessiva de açúcar, gordura, massas ou calorias poderá não ajudar em nada um magro a ganhar peso. Se, contudo, “ajuda”, não é um caminho saudável. O fato de comer demais não soluciona, pois a digestão é prejudicada. Ocorre fermentação crônica e a pessoa sente-se freqüentemente mal, indisposta, nervosa.

Tipo psíquico

Conhecemos várias pessoas magérrimas que comem demais. São tipos nervosos, ansiosos, agitados, competitivos. Gastam muita energia com sua agitação, e sua herança genética não favorece um balanço positivo para as gorduras do tecido adiposo. Custam a engordar, e emagrecem com espantosa facilidade.

Indigestão crônica

Os tipos magros (longilíneos) geralmente sofrem de problemas digestivos. Exibem personalidade sensível, geralmente do tipo A (tendem a ser ansiosos). Esta é uma tese levantada pelos estudiosos da biotipologia humana. Independentemente disso, porém, pessoas com tendência a ser magras, se sofrem de má digestão, tornar-se-ão ainda mais magras!

Publicidade

Cigarro, álcool e uso de drogas

Trio reconhecidamente assassino, que estraga a nutrição, corrói a vitalidade e produz, em muitas pessoas, perda de peso.

Se você geneticamente é do tipo longilíneo astênico, adquirir corpo bem proporcionado (ficar bem “cheinho”) é empreitada talvez mais dura que fazer um obeso perder peso. Mas não se desanime, não é impossível. Porém, o máximo que se consegue em muitos casos, é evitar o emagrecimento, ou adquirir uns poucos quilos.
Primeiro, é preciso estudar a causa da magreza. Além da tendência hereditária, estão presentes o fator psíquico (ansiedade) e a má alimentação? Os conselhos seguintes poderão ajudá-lo consideravelmente.

Dicas:

1. Se você tem algum problema digestivo, trate-o.

2. Comece a acrescentar aos poucos, à medida que seu organismo for aceitando, alimentos ricos em calorias, como amêndoas, massas integrais, nozes, castanhas de caju, castanhas-do-pará, mel, doces e tortas naturais etc. Ao deitar e ao acordar, tome uma colher, das de sopa, de mel puro de abelhas.

3. Também à medida que seu organismo tolerar, acrescente azeite de oliva à comida.

4. Procure encarar as coisas com calma. Vença a ansiedade. Tire mais algumas horas para dormir. Fale mais devagar, sem gesticular demais. Supere a compulsão pelo trabalho.

5. Largue o cigarro, o álcool, as drogas.

6. Se você vem emagrecendo sem razão aparente, é bom procurar um médico.

7. O exercício físico moderado é bom para melhorar a saúde geral e, portanto, ajuda a engordar. Um pouco de musculação faz aumentar a massa

muscular e o apetite. Mas exercício demais (especialmente atividades como cooper) faz emagrecer.

8. Certos chás* são muito bons para melhorar o desempenho digestivo, e são sugeridos tanto para quem quer emagrecer como para quem quer engordar. Em jejum, pode-se tomar um pouco (cerca de 50 ml) de chá de alfafa com taiuiá ou carqueja (uma colher, das de café, das plantas para uma xícara de água; ferver e filtrar).

Ao longo do dia, pode-se tomar chá de camomila, erva-doce e alfavaca, em pequenas quantidades (100 ml, três vezes ao dia; uma colher das de chá para cada xícara; derramar água fervente sobre as plantas).

Mas esses chás só ajudarão se forem tomados com persistência e regularidade. Depois de três semanas de uso, todavia, convém interromper, para evitar fastio ou saturação, e retomar o uso depois de uma semana.

9. Suplementos vitamínicos abrem o apetite e ajudam a engordar. Tome de seis a doze comprimidos de 500mg de lêvedo de cerveja, e de 2 a 3 g de geleia real ao dia, desde que não haja contra-indicação para o seu caso.

10. Depois dos exercícios físicos, tomar uma ducha e fazer fricções com toalha seca ajuda a estimular a circulação sanguínea, estabilizar as funções nervosas e, por extensão, melhora o desempenho digestivo.

Nesse artigo falamos sobre Remédios Caseiros para Magreza- Tratamento Natural.

Imagem- clickgratis

dicas Dica Extra: Como Curar Doenças de Forma Natural

Descubra como PREVENIR e CURAR doenças através de métodos naturais e alimentos simples. Descubra o real PODER DE CURA PELA NATUREZA - Clique Aqui

Publicidade

Leia também:


Deixe um Comentário

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*