Nefrolitíase – O que é, Sinais e Sintomas, Tratamento e Fatores de Risco

Nefrolitíase trata-se do termo médico referente a uma doença popularmente conhecida como pedra nos rins ou cálculos renais.

Essa doença bastante comum é caracterizada por provocar cristais nos rins. Quando esses cristais se acumulam, são formadas pedras que variam de tamanho. Quando elas começam a se movimentar pelo aparelho urinário, são causadas dores intensas.

 

Nefrolitíase

 

Nefrolitíase – Quais são os sinais e sintomas?

Enquanto as pedras não se movimentam, geralmente não há ocorrência de sintomas, sendo que o problema é identificado apenas mediante exames de imagem de rotina, tais como ultrassonografia.


A partir do momento que elas começam a se movimentar, independentemente do tamanho das pedras, os sintomas provocados são:

  • Severas dores em um dos lados do abdômen (lado do rim afetado pelas pedras);
  • Fortes dores nas costas e na região lateral do corpo (lado referente ao rim afetado pelas pedras);
  • Repentinas náuseas e vômitos (provocados pela dificuldade de o rim funcionar e também pela intensidade das dores);
  • Sensação de queimação no canal da urina. Nos homens pode ocorrer dores fortes nos testículos;
  • Calafrios e transpiração intensa (provocados pela intensidade da dor);
  • Aumento da necessidade de urinar, podendo ocorrer presença de sangue na urina;
  • Dificuldade e dor no momento de urinar (sobretudo de manhã);
  • Urina de coloração escura e/ou com cheiro desagradável;
  • Sensação de queimação na região abdominal.

Obs.: tais sintomas variam de ocorrência e intensidade, mas no caso das dores, elas são sempre intensas e súbitas (aparecem de repente).

Nefrolitíase – Quais as causas do problema?

As principais causas associadas a esse problema no aparelho urinário são:

Alta concentração de cálcio

O excesso de cálcio no organismo é considerado como uma das principais causas da nefrolitíase.

Principalmente quando combinado a substâncias como carbonato, oxalato e fosfato, ele estimula a formação das pedras nos rins.


Entre algumas causas do excesso de cálcio, estão o aumento dos níveis de Vitamina D, ocorrência de enfermidades no intestino delgado e mau funcionamento do metabolismo.

Aumento do ácido úrico

O excesso de ácido úrico no organismo é outro dos principais responsáveis pela ocorrência de cálculos renais.


O aumento desse ácido no corpo acontece sobretudo quando há diagnóstico de gota (doença reumática), períodos de tratamentos de quimioterapia e ingestão excessiva de proteínas.

Essa causa é mais comum em homens que mulheres.

Cálculos de estruvita

Esse tipo de pedra no rim é caracterizado pelo significativo crescimento, podendo causar inclusive a obstrução do canal da urina, bexiga e rins, carecendo na maioria das vezes de procedimento cirúrgico.

Esse tipo de cálculo renal costuma ser mais comum em mulheres, sobretudo aquelas com histórico frequente de infecções no sistema urinário.

Cistinúria

Consiste numa doença de caráter hereditário que afeta os rins (comum tanto em mulheres quanto em homens), reconhecida por provocar a formação de cristais/pedras de cistina nos rins, canal da urina e bexiga.

Nefrolitíase – Quais são os fatores de risco?

Esse problema ocorre também em virtude de um ou mais dos fatores de risco, que são:

Pouca ingestão de água

A falta de hidratação consiste em um dos principais fatores de risco quanto à formação de cálculos renais (nefrolitíase).

A ausência desse líquido faz com que o rim funcione de forma lenta, gerando o acúmulo das substâncias responsáveis por formar as pedras.

Desse modo, é indispensável beber 2 litros de água todos os dias, melhorando o funcionamento e promovendo a limpeza natural dos rins.

Pessoas acima de 40 anos

Ainda que os cálculos renais possam ocorrer em qualquer idade, o problema costuma ser mais comum em pessoas acima de 40 anos.

Ocorrência de doenças

A presença de algumas doenças pode desencadear a formação de cálculos renais. Essas doenças são:

  • Distúrbios digestivos;
  • Lesões nos tubos renais;
  • Doenças urinárias;
  • Diarreia crônica;
  • Hiperparatireoidismo (produção excessiva do hormônio PTH – Paratireoide);
  • Acidose (aumento da taxa de acidez no sangue);
  • Inflamação no sistema gastrointestinal.

Hereditariedade

Indivíduos cuja família apresenta histórico de pedras ou demais doenças nos rins são naturalmente mais propensos a desenvolver cálculos renais.

Má alimentação

O excesso de sódio (sal), açúcar e proteínas aumenta significativamente as chances de ocasionar pedra nos rins, já que o acúmulo dessas substâncias dificulta a função dos rins em filtrar o sangue.

Obesidade

Indivíduos obesos tem maior risco de desenvolver pedra nos rins, pois o excesso de gordura na corrente sanguínea dificulta as funções do órgão, favorecendo o acúmulo de impurezas nele.

Nefrolitíase – Quais são os tratamentos?

Assim que os sintomas aparecem, ao procurar ajuda médica, é feita uma avaliação clínica e realização de exames de imagem (ultrassonografia ou tomografia) para identificar a presença, localização e tamanho das pedras.

Mediante esse diagnóstico, o médico prescreverá medicamentos que estimulam a eliminação delas pela urina, que combatam possíveis inflamações e aliviam a dor.

Caso a pedra esteja numa região difícil de ser eliminada ou seja de tamanho incompatível com o canal da urina, além dos medicamentos pode ser necessário procedimento cirúrgico que atualmente pode ser feito a laser.

Esse procedimento tritura as pedras, fazendo com que elas sejam eliminadas pelo canal urinário.

Nefrolitíase – Existe tratamento natural?

No caso de pedras pequenas, ainda em forma de cristais e numa localização favorável à eliminação, ingerir alguns chás medicinais pode ser de grande ajuda para expulsá-las do organismo. Esses chás são:

Quebra-pedra

Graças aos seus efeitos, esse chá é o mais popular para eliminação de pedra nos rins, auxiliando no rompimento delas e na expulsão natural.

O recomendável é ingerir 3 xícaras desse chá todos os dias até que a pedra seja eliminada por meio do canal da urina.

Cavalinha

Essa erva medicinal é reconhecida pelas substâncias analgésicas e anti-inflamatórias, sendo de grande ajuda para estimular o funcionamento dos rins e aliviar as dores e processos inflamatórios causados pelas pedras.

Para potencializar o efeito desse chá, recomenda-se ingeri-lo em paralelo (e na mesma quantidade) que o quebra-pedra.

Salsinha


Tanto para prevenir quanto para tratar doenças nos rins (inclusive pedras), a salsinha é de grande ajuda, já ela favorece a limpeza do órgão, eliminando pela urina os cristais causadores das pedras.

É indicado beber o suco ou chá dessa planta por 5 dias, em jejum e ao longo do dia, não ultrapassando 1 litro por dia.

No caso de os sintomas da nefrolitíase não apresentarem melhora, é necessário retornar ao médico para readequar o tratamento.

Fontes: 1, 2

 


Continue lendo sobre saúde natural: