Meningite- Tratamentos, causas, sintomas e como evitar

No começo, não era mais que uma dorzinha de ouvido. Alexandre, com 3 anos recém-completados, reclamava de dor de garganta, dor de ouvido, e perdeu o apetite.

A febre não ultrapassava os 38° C. Mas assim que houve pequena melhora, o guri, que já não aguentava mais ficar na cama, fugiu sorrateiramente para a rua e foi “tirar os atrasos”, brincando com os amiguinhos.

Envolvidos com os afazeres domésticos, os pais não notaram que o peraltinha escapulira, nem que o tempo mudava rapidamente.

Logo desabou forte temporal, e perceberam que o menino estava na rua. Não demorou a chegar, correndo, ensopado, gracejando.

Todos ficaram apreensivos. Mas parecia não haver motivo para maiores preocupações, até que Alexandre começou a ter fortes arrepios de frio. Foi para a cama e já apresentava sinais de febre.

A noite, o termômetro indicava 39,5° C. No dia seguinte, além de a febre persistir, surgiram sintomas novos, preocupantes: fortes dores de cabeça, que se concentravam na nuca, e que aumentaram até o ponto de o menino se retorcer de dor, assumindo estranha posição, com os membros e a cabeça recurvados para trás.

Não aceitava comida. Tinha náuseas e vomitava. Finalmente surgiram convulsões. Alarmados, os pais o levaram correndo ao médico, que, depois de cuidadoso exame, alertou-os para o risco de meningite, que foi confirmada com a análise do líquido da espinha.

Alexandre teve de ficar internado, pois seu caso se agravara. Felizmente, após semanas de tratamento intensivo, foi considerado fora de perigo. Nesse artigo falaremos sobre Meningite e Tratamentos, causas, sintomas e como evitar.

As meninges

As meninges são três camadas membranosas que forram o sistema nervoso central, entre as quais circulam fluidos, formando uma espécie de acolchoado líquido, tendo, entre outras funções, proteger essa parte tão nobre do corpo, e amortecer eventuais choques.

De foro para dentro, encontramos a dura-máter, a camada mais resistente, a aracnóide, a intermediária, e a piamáter, a mais fina, que adere ao encéfalo como um fino envoltório de plástico transparente.

Entre as meninges, se intercalam duas câmaras: a cavidade subdural e a cavidade suba racnóidea. Esta última se comunica com os ventrículos cerebrais, e contém o líquido cefalorraquiano (LCR).

Meningite- Tratamentos, causas, sintomas e como evitar

O pneumococo também pode ser um agente causador. No caso de Joãozinho, que acabamos de ilustrar, a brusca queda de resistência orgânica provocada pela exposição ao frio e à chuva precipitou o aprofundamento da infecção auditiva, ainda não totalmente curada.

O Streptococcus pneumonioe causa de 30 a 50% dos casos em adultos (meningite pneumocócica). O Neisseria meningitidis causa até 40% dos casos em crianças, e 30% dos casos em adultos (meningite meningocócica), e o Hemophilus influenzae tipo 6 é culpado por até 45% dos casos em crianças, mas é muito raro em adultos.

Os estreptococos e os estafilococos, muito resistentes aos antibióticos, também podem alcançar as meninges, infectando-as. Adiante falaremos das meningites virais.

meningite-tratamentos-causas-sintomas-e-como-evitar

 

Que é meningite? Quais os sintomas?

Trata-se de inflamação das meninges (pia-móter e aracnóide), do líquido dos ventrículos cerebrais e do líquido do espaço envolvido pelas meninges.

Meninges são membranas que revestem o encéfalo e a medula espinhal. Como vimos, essa inflamação é provocada por micro-organismos, como bactérias, fungos ou vírus.

Há alguns germes que têm particular predileção pelas meninges, como o meningococo. Mas qualquer microrganismo que ataque o corpo humano e alcance as meninges pode provocar essa doença.

Como o espaço sob as meninges é contínuo ao redor do cérebro, da medula espinhal e dos nervos ópticos.

Qualquer agente de infecção ou célula tumoral que invada esse espaço pode espalhar-se rapidamente por todas as estruturas irrigadas pelo líquido cefalorraquiano.
A meningite é mais comum em crianças, mas pode atingir adultos.

Ter o conhecimentos sobre o que é a Meningite é muito importante para Tratamentos, causas, sintomas e como evitar.

Sintomas

Febre (muitas vezes alta), dor de cabeça (que pode se tornar contínua e violenta, e aumentar com os espirros e a tosse), convulsões, vômitos, distúrbios de consciência (confusão mental), torpor, agitação, rigidez de nuca, rigidez nas costas.

Para evitar o estiramento doloroso das raízes dos nervos da medula espinhal, o corpo assume estranhas posturas, como defesa contra a dor.

Uma delas é a chamada “opistótono”, também verificada no tétano, em que ocorre a hiperextensão generalizada dos músculos do corpo, com simultânea contratura dos músculos paravertebrais e da nuca.

O corpo fica duro como uma tábua, recurvado para frente e a cabeça para trás. Nas meningites avançadas, o corpo pode assumir a posição de “cão de fuzil”, em que a cabeça fica esticada para trás e o resto do corpo encolhido.

Os distúrbios de consciência oscilam entre sonolência e grande agitação física e mental. Após um período de semiconsciência, o paciente pode entrar em coma e vir a falecer.

Muitas vezes a meningite é precedida de infecção respiratória. Cerca de metade dos casos de meningite meningocócica apresenta erupções na pele, caracterizadas por grandes equimoses (hemorragias sob a pele), principalmente nas porções inferiores do corpo.

A meningite pneumocócica é muitas vezes precedida por infecção pulmonar, do ouvido ou dos sinus (sinusite).

Alcoólatras, pessoas que sofreram fratura na base do crânio, pacientes que tiraram o baço (esplenedomia) e doentes de anemia falciforme podem mais facilmente desenvolver meningite por pneumococos.

A presença de febre (mesmo que não seja alta), somada a letargia, dor de cabeça e estado de confusão mental, que aparece subitamente, constitui um quadro muito suspeito, merecendo imediata averiguação do líquido cefalorraquiano.

Crianças pequenas podem ter meningite pelo Hemophilus influenzae, como complicação de otite ou outra infecção das vias respiratórias superiores.

Para que haja segurança no diagnóstico, é preciso fazer punção lombar, a fim de se examinar a presença de bactérias no líquido cefalorraquiano (LCR).

E preciso salientar que as infecções da cabeça representam, em geral, risco maior. Simples problemas dentários e abscessos gengivais podem ser o foco de disseminação de micro-organismos que, atingindo as meninges via sangue, desencadeiam a doença.

As “espinhas” do rosto contêm micro-organismos muito resistentes, como os estafilococos. Quando se “espremem” as espinhas, essas bactérias podem, excepcionalmente, cair no sangue e dirigir-se ao sistema nervoso central, provocando meningite!

Nesse artigo falamos sobre Meningite- Tratamentos, causas, sintomas e como evitar.

Imagem- hospitaldecruzilia.com.br

dicas Dica Extra: Como Curar Doenças de Forma Natural

Descubra como PREVENIR e CURAR doenças através de métodos naturais e alimentos simples. Descubra o real PODER DE CURA PELA NATUREZA - Clique Aqui

Leia também:




Deixe um Comentário

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*